Centro de Apoio ao Doente Oncológico apresentou-se aos melgacenses

Centro prestará serviços consultas e serviços gratuitos para o utente

Apresentado ao público no dia 3 de Julho em cerimónia ocorrida na fonte das Termas de Melgaço, o Centro de Apoio ao Doente Oncológico (CADO) promete ser um porto seguro para os doentes, familiares e cuidadores que se vêem a braços com este diagnóstico.

A cerimónia de apresentação contou com a presença de responsáveis de instituições, clinicas, empresas e entidades que trabalharão em parceria com este centro, sediado no balneário do complexo termal, onde dispõe de três salas para atendimento.

Em tom leve, com música ao vivo, tocada e cantada por um grupo voluntário do CADO, a sessão contou ainda com a presença de Marine Antunes, autora do livro “Cancro com Humor”, um obra que é ponto de partida para o projecto abrangente que encarou desde 2013 e que se propôe desdramatizar e subjugar o problema do cancro.

Nas três salas que servirão de apoio à actividade do Centro de Apoio, o projecto sem fins lucrativos irá disponibilizar consultas e serviços, em calendário semanal que os utentes poderão acompanhar.

Catarina Malheiro, mentora do projecto a que se juntaram mais nove elementos na orgânica da associação, apresenta uma equipa de técnicos, médicos e especialistas que diariamente ou uma vez por semana estarão disponíveis para consultas, gratuitas para o doente.

Um enfermeiro, uma psicóloga clínica, uma médica de clínica geral, uma osteopata, uma técnica de serviço social, uma farmacêutica e uma médica dentista constituem a equipa prestadora dos serviços com que o CADO arrancou desde o dia 1 de Julho. Além do atendimento especializado, o centro terá ainda alguns artigos próprios para cada doente, desde as próteses para o pós operatório ou os suplementos hiper-proteicos.

Constituída por técnicos “independentes” trabalham em hospitais, a equipa compõe-se de “pessoas que colaboram de forma voluntária e individual”, esclarece Catarina Malheiro.

Para apoiar os primeiros passos deste projecto, o centro contou com a colaboração da Câmara Municipal de Melgaço e das Juntas de Freguesia, que promoverão estas valências deste centro junto das suas comunidades.

O serviço, que a mentora considera essencial pela diversidade das especialidades com que apoiarão os doentes, familiares e cuidadores, dá já provas da sua missão. “Neste momento já temos doentes referenciados, que nos procuraram e que vão usufruir deste serviço”, diz Catarina Malheiro.

O serviço é também útil à vizinha comunidade galega, onde foi feita uma apresentação deste apoio, junto de algumas entidades e instituições.

Por cá, segundo a mentora do projecto, algumas associações de referência a nível nacional tem-se mostrado interessadas na colaboração, contribuindo para a afirmação sólida do centro, privilegiado pelo contexto em que se insere. “Todas as pessoas que tem conhecimento de onde é o centro, que vêm aqui, ficam encantadas com a envolvência. O próprio ambiente, o bem estar proporcionado pelo exterior, faz com que nos sintamos melhor”.

De fora, até ao momento, está a Liga Portuguesa Contra o Cancro, que alegadamente não terá dado seguimento às comunicações que formalizariam eventual parceria. “Iniciamos conversações com a Liga para fazer parte deste projecto. Tivemos uma reunião em Abril, com o Dr Renato Martins, Coordenador dos Centros de Psico-oncologia da Liga e com o Dr Manuel Cardoso, Coordenador dos Núcleos Regionais, que nos deixaram uma reunião pré-agendada para o dia 29 de Junho. Quando se aproximou a data, procuramos confirmar essa marcação, mas não obtivemos qualquer resposta”, explica Catarina Malheiro.

No entanto, a porta continuará aberta para possível parceria. “Temos todo o interesse em ser parceiros, porque no fundo a causa é a mesma e acima de tudo está o bem estar do doente oncológico, da família e do cuidador”, frisa.

Para fazer parte da associação e beneficiar destes serviços, a jóia de inscrição é de 10 euros e 10 euros de quota anual. Um valor simbólico que ajudará a subsistência do centro e dos serviços de que dispõe. “Todos os nossos serviços são gratuitos para o doente. Para os doentes não pagarem, temos de ter alguma sustentabilidade”, esclarece Catarina Malheiro.

Na próxima edição (em papel) do jornal “A Voz de Melgaço” daremos nota de outros aspectos deste centro, assim como a entrevista com Marine Antunes autora do livro “Cancro Com Humor”.

CADO