Empresários melgacenses apresentaram Associação Empresarial Minho Fronteiriço

Projecto não se limita ao concelho de Melgaço e já tem interessados em Monção

Constituída a 5 de Julho, a Associação Empresarial Minho Fronteiriço apresentou-se aos empresários e população em geral no dia 27 de Julho, em cerimónia realizada na Casa da Cultura de Melgaço. 13726611_146724762421091_93889697979555727_n

Um grupo de empresários melgacenses reuniu-se para dar forma e elaborar, enquanto comissão instaladora, o plano do que será a associação empresarial. Com sede em Melgaço, a instalar-se no antigo posto de Turismo, mas com estatutos e nome que englobam o território minhoto até ao limite das suas fronteiras, sem esquecer a Galiza (cujos municípios mais próximos não tem qualquer organismo que represente as suas empresas), o projecto começa agora a dar os primeiros passos na cativação do interesse empresarial e popular.

Nesta sessão, a comissão instaladora deu nota das datas do processo que cumpre os princípios democráticos para a formação da equipa que irá representar os associados. Assim, até 10 de Outubro decorre o período de entrega de listas candidatas e a 17 de Outubro serão apresentadas as listas que concorrerão à eleição, marcada para 7 de Novembro.

A designação da associação, de propósitos abrangentes, foi consensual e elogiada por populares, empresários e pela autarquia, foi motivada em parte pela vontade associativa de empresários de fora do concelho, como conta Paulo Afonso a este jornal. “O nome foi escolhido de forma a poder englobar mais concelhos vizinhos e também os espanhóis, para que possam identificar-se com a associação e queiram integrar a equipa de trabalho. Precisávamos de um nome que não restringisse este trabalho”, notou.

Sobre o interesse que o projecto cria fora de portas, o empresário dá nota das sua percepções. “Tenho conversado com empresários de Monção que estão tão descontentes com a associação de Monção como estávamos nós, em Melgaço. Surpreendeu-me saber que os monçanenses estavam tal como nós, e foi o pedido deles que nos levou a fazer esta abertura para poderem entrar nesta associação”, esclareceu.

DSC_2737Assegurando poder vir a ser uma ferramenta de apoio na agilização de instrumentos de apoio financeiro, jurídico ou nas bolas de emprego, a associação quer congregar esforços para poder trabalhar. 

O tecido empresarial melgacense está bastante rejuvenescido. Demo-nos conta, com as tertúlias que temos feito, que nos últimos vinte anos os empresários são jovens. Cabe-nos agora a nós dar a volta à situação e fazermos a diferença. Esta união nunca existiu até agora, e as novas mentalidades podem fazer a diferença toda neste projecto”, observou o membro da comissão instaladora, Paulo Afonso.

A Associação Empresarial Minho Fronteiriço já tem site, em aemf.pt, assim como página na rede social Facebook, onde serão divulgadas novidades e acções a desenvolver.

João Martinho

DSC_2741