Centro de Apoio ao Doente Oncológico organizou fim-de-semana para apresentar as potencialidades das Termas na área da saúde

O Centro de Apoio ao Doente Oncológico (CADO), em parceria com a associação espanhola ADICAM – Asociación de Diagnosticad@s de Cancer de Mama, realizou um fim-de-semana de actividades, palestras sessões de relaxamento e concertos musicais nas Termas de Melgaço.

O complexo foi, nos dias 17 e 18 de Setembro, o epicentro de uma iniciativa que pretende fomentar as potencialidades dos espaços de relaxamento e tratamento como factores importantes no tratamento da doença oncológica.

O cancro não tem fronteiras’ deu o mote ao encontro de de mais de duas dezenas de mulheres diagnosticadas com cancro de mama, que começaram por conhecer as instalações e os serviços prestados pela associação sedeada em Melgaço e que tem algumas das salas do complexo termal como consultório para os profissionais da área da saúde que voluntariamente colaboram com o projecto.

Aprender a lidar e a viver da melhor forma com o diagnóstico foram algumas das principais preocupações das temáticas abordadas nas palestras que na manhã e tarde de 17 de Setembro tiveram lugar em plena fonte principal das Termas de Melgaço.

“Todas as unidades de saúde estão focadas para a parte aguda da doença, para o diagnóstico e tratamento e está a fracassar nos cuidados aos pacientes crónicos. Quem está a marcar a mudança são as associações. A assistência sanitária está tão centrada no hospital, que o cuidar é uma tarefa menor e este é um tratamento diferente, mas fundamental”, referiu Salvador Ramos, médico, director de um centro de hidroterapia na Corunha e de um centro de talasoterapia em Pontevedra, um dos oradores convidados a palestrar, em declarações a este jornal.

É um luxo usar as águas termais só para relaxamento. É bom, mas é importante juntar-lhe esta valência terapêutica. E, neste cenário de epidemia de patologias crónicas, são os sítios ideais” considera o médico espanhol, indicando a janela de oportunidade que pode alavancar a economia termal: “Há muito dinheiro para projectos transfronteiriços que se podem aproveitar para isto”.

Leia a notícia completa na edição de 01 de Outubro do jornal “A Voz de Melgaço”.

dsc_8244