Ribeiro de Baixo pede mais comunicação e segurança para evitar que qualquer acidente volte a ser fatal

O acidente que acabou por vitimar Américo de Jesus Domingues, de 62 anos, no Lugar de Ribeiro de Baixo, em Castro Laboreiro, no passado dia 12 de Fevereiro, relançou a discussão acerca da importância das comunicações nas povoações mais isoladas do concelho. Alegadamente, Américo Domingues ter-se-á sentido mal enquanto conduzia o tractor a acabou por sair da estrada, capotando o veículo agrícola em que seguia, no entanto, aqueles que o assistiram sugerem que um pronto socorro poderia ter sido determinante para um desfecho diferente neste caso que acabou por ter um desfecho trágico.

Sem telefones da rede fixa a funcionar desde o início de Fevereiro, devido ao temporal que se fez sentir, nem rede móvel naquele ponto do concelho, o acidente ocorrido pouco depois do meio-dia (a chamada para o 112 só terá sido conseguida pelas 12h30), foi assistido pelas equipas do INEM já depois das 13 horas. O pedido de socorro teve de ser feito a partir de um telemóvel, longe do local da ocorrência, de cima de um penedo, onde já havia algum sinal de redes móveis.

“Andamos aqui com estratégias de captação de turismo, aplicações, QR Codes e não sei quantos e quando chegamos ao território não funciona nada”

(…)

Somados os dois Ribeiros (o de Cima e o de Baixo) viverão actualmente cerca de 70 pessoas naqueles lugares. No entanto, a estrada sem saída relega para algum isolamento as populações desta linha populacional melgacense.

Abrigado pelas serras, estas não valeram à população castreja quando as chuvas de Fevereiro atacaram em força o território nacional. O cemitério daquele Lugar, na unidade construída há cerca de vinte anos, foi um dos que sofreu com a intempérie, colocando em risco de colapso um dos muros daquele espaço.

Leia a notícia completa na edição de Março do jornal “A Voz de Melgaço”

DSC_1656