Melgaço vai sozinho a Lisboa promover o Alvarinho e a sub-região

Autarquia monçanense desiste da estratégia de promoção Alvarinho Wine Fest

A autarquia melgacense referiu não ter qualquer comunicação oficial ou definitiva sobre o tema, mas o rumor ganhou contornos de comunicado após notícia publicada pela rádio Vale do Minho na sua plataforma online, onde dá conta da alegada desistência de Monção da estratégia de promoção em Lisboa, iniciada há dois anos, sob o nome Alvarinho Wine Fest.

O autarca de Monção, Augusto Domingues, terá manifestado o desinteresse no evento em reunião do Executivo Municipal, após reunião com os “grandes produtores de Alvarinho do concelho”. “Foi deste encontro que emanou em definitivo a resposta negativa à participação monçanense num eventual III Alvarinho Wine Fest” revela a notícia da Vale do Minho. “Não posso ir para Lisboa com gente que não quer ir!”, transcreve ainda aquele órgão, citando Augusto Domingues, que já terá manifestado a decisão ao parceiro privado que organiza o evento, o grupo Cofina.

Frisando não ter (ao momento destas declarações, a 25 de Abril) uma comunicação que oficialize a desistência do parceiro monçanense da estratégia, o autarca de Melgaço esclarece que “Melgaço estava de alma e coração no projecto, e continua a estar”.

Recusando abandonar uma estratégia que não foi avançada “por impulso”, Manoel Batista indica já ter iniciado conversações com o grupo Cofina para que este possa “redimensionar o projecto, para que ele seja mais barato e possa ser comportável por um município apenas”.

O investimento de cada um dos municípios foi, nas primeiras edições, na ordem dos 65 mil euros, e o autarca de Melgaço diz que não vai gastar mais do que o previsto. “Melgaço não vai investir mais do que aquilo que investia nos anos anteriores, mas vai redimensionar e avançar com o projecto”.

Porta continua aberta para os produtores de Monção

Sem pormenorizar em que moldes será feito este ajustamento de despesa e concepção do evento, o edil melgacense diz que a decisão, que considera assentar na “movimentação de influências” de alguns produtores não impede a participação de outros produtores monçanenses. “Nesse projecto novo, haverá espaço para os produtores de Monção participarem, se quiserem. Faremos o convite a todos os produtores, porque queremos que o evento continue a ser a afirmação da sub-região de Monção e Melgaço. Não vamos romper aquilo que é a estratégia inicial. Levaremos só nós, município de Melgaço, ao Alvarinho Wine Fest, a promoção do território Monção e Melgaço”.

Não me parece que aquilo que está a acontecer seja resultado de qualquer reunião. Parece-me mais que há aqui alguma movimentação de influências por parte de um ou dois produtores e não de uma reunião de trabalho entre produtores, para se chegar a esta conclusão. Lamento que as coisas estejam a ter este seguimento, mas não quero fazer disto um momento de ruptura, nem farei, o caminho é para a frente e eu defendo a continuidade.

Admitindo adoptar a imagem e marca que vem sendo promovida pela campanha Monção e Melgaço – A Origem do Alvarinho, o autarca esclarece que não fará “comunicação paralela” à comunicação que está a ser desenvolvida, “vamos assumir que é preciso comunicar a sub-região com a linguagem, com o conceito de estratégia que foi definido”.

Não faço rupturas, não inverto caminhos, nem estaciono. Faço caminho para a frente, procurando a unificação dos territórios e uma estratégia conjunto. Também não me escondo nem fujo à discussão, e está neste momento acertado que haverá uma reunião semestral do Grupo de Trabalho, onde os municípios estarão também, para darem a sua opinião sobre a estratégia de comunicação”, atira ainda Manoel Batista.

Sobre a terceira edição do Alvarinho Wine Fest, o autarca garante que haverá terceira edição, prevista para o primeiro fim de semana de Junho.

João Martinho

Texto publicado na edição de Maio do jornal “A Voz de Melgaço”

A origem do Alvarinho

A origem do Alvarinho