Gripe e constipações, “o fruto da época”

Dicionário Clínico
G – Gripe (e constipações): “O fruto da época”

Chegado o outono/inverno chega também a altura dos espirros, tosses e demais sintomas que tanto associamos às gripes e constipações. É comum falar de uma e outra entidade como se do mesmo se tratasse e até há quem diga que tomou a vacina da gripe mas que de nada valeu porque a constipação apareceu igualmente. É por isso importante entender que ter uma gripe e uma constipação é diferente.

Tanto as gripes como as constipações são causadas por vírus respiratórios. Estas têm muitos sintomas semelhantes e podem por isso ser facilmente confundidas e até mal diagnosticadas. Enquanto uma constipação geralmente desaparece dentro de alguns dias, a gripe pode por vezes evoluir para complicações mais graves e até fatais.

É impossível prevenir o início de uma constipação comum. É um vírus de transmissão aérea muito contagioso e não existem vacinas ou medicamentos que possam impedir de o infetar, a não ser que evite o contacto. A gripe, por outro lado, pode ser prevenida com uma vacinação precoce. É por isso fácil entender que alguém que esteja vacinado contra a gripe pode vir a ficar constipado e que esse não deve ser argumento para que as pessoas com indicação, evitem a vacinação.

Uma questão comum é: porque é que é esta a altura do ano com mais gripes e constipações?  Quando há uma queda da temperatura e quando os raios UV são mais fracos, o vírus sobrevive tempo suficiente para poder ser transmitido de uma pessoa infetada para uma pessoa saudável. No Inverno, existem também outros fatores facilitadores da transmissão tal como o facto de as pessoas permanecerem muito mais tempo em locais fechados com pouca circulação de ar.

Outra questão pertinente é qual é o período de incubação e contágio da gripe? A incubação dura em média 2-4 dias e o contágio inicia-se 1 a 2 dias antes dos sintomas e vai até 5 dias depois deles aparecerem. A gripe pode ser evitada através da vacinação e da redução de contactos com pessoas infetadas.

Quem deve ser vacinado contra a gripe de forma prioritária? Pessoas com idade igual ou superior a 65 anos, doentes crónicos e com a imunidade em baixo com 6 ou mais meses de idade, as grávidas e os profissionais de saúde e outros prestadores de cuidados.

 Sabia que a vacina da Gripe pode ser gratuita nos casos em que é fortemente recomendada? A vacina é administrada gratuitamente no seu Centro de saúde em pessoas com idade igual ou superior a 65 anos; pessoas que independentemente da idade sejam residentes em instituições; doentes integrados na Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados; pessoas apoiadas no domicílio pelos Serviços de Apoio Domiciliário; doentes apoiados no domicílio pelas equipas de enfermagem das unidades de saúde; doentes internados em unidades de saúde pertencentes ao Serviço Nacional de Saúde que apresentem as condições para as quais se recomenda a vacina.
Também é gratuita e fortemente recomendada em pessoas de qualquer idade com as seguintes doenças crónicas ou condições: Diabetes; terapêutica de substituição renal (hemodiálise); Trissomia 21; a aguardar transplante ou já submetidas a transplante; sob quimioterapia; Fibrose Quística; Défice de alfa-1 antitripsina e doença crónica com comprometimento da função respiratória.

A vacina pode ser administrada durante todo o outono/inverno, de preferência até ao fim do ano civil, portanto está ainda a tempo de fazer a sua vacinação.

E afinal qual é a eficácia da vacinação? A vacina é eficaz uma vez que em 75% das situações evita o aparecimento da gripe e em 98% dos casos diminui a gravidade da doença, pelo que vale a pena pensar nisto!

E se a gripe chegar o que fazer? Procure isolar-se das outras pessoas de forma a diminuir o contágio; descansar, ingerir muitos líquidos (água preferencialmente) e manter a alimentação; evitar mudanças de temperatura; tomar medicamentos para baixar a febre (paracetamol); fazer atmosfera húmida (se tiver tosse) e aplicar soro fisiológico para desentupir/descongestionar o nariz. Não se esqueça que durante o período de doença não deve ser vacinado!

Esteja atento e cuide de si. Não se esqueça que nós somos os primeiros médicos de nós mesmos.

Alexandra Táboas