Melgaço promove I Jornadas sobre Património Cultural a 6 de Novembro

Melgaço acolhe na próxima segunda-feira, 6 de Novembro, a iniciativa REDITUS – I Jornadas sobre Património Cultural de Melgaço, centrada na temática do Paleolítico. As sessões são de vertente pedagógica, orientadas por Professores Universitários, de Portugal e da Galiza, de áreas como Arqueologia, História e Sociologia.

O propósito é dar a conhecer a todos a riqueza patrimonial de Melgaço, bem como a sua história, para que a mesma possa ser divulgada junto da comunidade e de quem visita o concelho.

‘Reditus’ surge na sequência dos resultados obtidos pelas escavações arqueológicas que decorrem, desde o verão de 2016, na freguesia de Remoães. Até então, os trabalhos geraram descobertas importantíssimas para os estudos da presença do Homem na região do Vale do Minho. 

De acordo com o Coordenador do projecto, João Ribeiro, professor da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, “os promissores trabalhos de Melgaço permitiram reconhecer a diversidade de estratégias de ocupação da região pelo homem paleolítico tanto no tempo como no espaço, tendo mesmo permitido reconhecer a presença do homem de Neandertal na região”. As escavações acontecem no âmbito do projecto transfronteiriço ‘Os primeiros habitantes do baixo Minho’, previsto decorrer nos vários municípios portugueses e espanhóis do troço internacional do rio Minho.

O evento é dirigido à população em geral, empresas de animação, comunidades escolares e funcionários afectos a serviços de atendimento (como Museus, Loja de Turismo, Porta de Lamas de Mouro, Casa da Cultura e Biblioteca de Castro).

APOSTA NA DIVULGAÇÃO DO PATRIMÓNIO CULTURAL

Estas jornadas enquadram-se num projecto de quatro encontros culturais que assentam numa retrospectiva histórica sobre o Património Cultural de Melgaço, percorrendo, cronologicamente, as seguintes temáticas: o Paleolítico, o Neolítico, a Época Medieval e as Épocas Moderna e Contemporânea. “O intento é promover o conhecimento do vasto Património Cultural existente no concelho, criando uma sequência de acções que permitam a melhor interpretação destes valores e da sua contextualização histórica”, salienta a organização, explicando que, para edições futuras, o objectivo é conciliar/enquadrar actividades lúdicas, vocacionadas para visitantes, como representações, peças de teatro e animação musical.

 

PROGRAMA

14h30 – Visita ao local das intervenções arqueológicas
Estação arqueológica de Remoães

15h45 – Sessão de Abertura
Manoel Batista Calçada Pombal – Presidente da Câmara Municipal de Melgaço
Casa da Cultura

16h00 – Vestígios arqueológicos dos mais antigos habitantes de Melgaço (1.ª sessão)
Casa da Cultura

18h00 – Vestígios arqueológicos dos mais antigos habitantes de Melgaço (2.ª sessão)
Sede da Junta de Freguesia de Remoães

19h00 – Alvarinho de Honra
Junta de Freguesia de Remoães

ORADORES

João Pedro Cunha-Ribeiro: Faculdade de Letras – Universidade de Lisboa; Centro de Arqueologia da Universidade de Lisboa; (UNIARQ); Lab2pt.

Alberto Gomes: Faculdade de Letras – Universidade do Porto; Centro de Estudos de Geografia e Ordenamento do Territorio (CEGOT).

José Meireles: Universidade do Minho; Lab2pt.

Eduardo Méndez-Quintas: Escuela Interuniversitaria de Posgrado en Evolucion Humana, Universidad de Burgos; Centro Nacional de Investigacion sobre la Evolucion Humana (CENIEH).

Sérgio Monteiro-Rodrigues: Faculdade de Letras – Universidade do Porto; Centro de Investigação Transdisciplinar “Cultura, Espaço e Memoria” (CITCEM).

Alfredo Pérez-González: Centro Nacional de Investigacion sobre la Evolucion Humana (CENIEH), Burgos

Manuel Santonja: Centro Nacional de Investigacion sobre la Evolucion Humana (CENIEH), Burgos