Dia do Brandeiro: Nos dias 4 e 5 de Agosto celebra-se a cultura genuína das brandas de Melgaço

Há 22 anos que o Dia do Brandeiro tem sido recordado através de várias iniciativas e cerimónias religiosas, no entanto, as comemorações têm ganho especial forma nos últimos anos, com o reforço no programa para dois dias.

A festividade cultural começa hoje, Sábado (dia 4) com palestra cultural promovida por um dos dinamizadores e promotor desta referência cultural melgacense, o Dr. Rodrigues Lima, onde reflectirá sobre o local “Onde o Passado Encontra o Futuro”.

Seguem-se a missa e o Cortejo Etnográfico sobre “a transumância”, um aspecto diferenciador do município melgacense, pontualmente “comungada com arcos de Valdevez, mas muito nossa na forma como é feita”, sublinhou o presidente da Câmara Municipal de Melgaço, Manoel Batista. “Tem havido um empenho muito grande em torna-la cada vez maior e mais representativa. São momentos significativos da nossa cultura”, reconhece o autarca.

Ao cortejo de carros de bois que, com a chiadeira que lhes é característica, acrescentam sons “à nossa memória” e à cultura alto-minhota, junta-se uma rusga que acompanhará o cortejo de gado cangado e gente vestida a rigor, com os trajes contemporâneos deste modo de vida, como nos garante o presidente da Junta de Freguesia de Gave, Agostinho Alves.

Agostinho Alves, presidente da Junta de Freguesia de Gave, na apresentação do programa “Melgaço em Festa”

E porque a tradição quer-se por inteiro, pela tarde retoma-se “uma tradição interrompida há cerca de nove anos, a apanha do porco”, indicou Agostinho Alves. Ainda na tarde de Sabado haverá espaço para a música com concertinas e música popular interpretada por uma filha da terra, embora emigrante, Laurence.

Novidade destas comemorações será a oportunidade para degustar algumas ‘pérolas’ da gastronomia local praticamente do forno para o prato. Na ‘cardenha’ construída no recinto da capela de nossa Senhora da Guia estão instalados dois fornos a lenha, prontos para levar à cozedura a broa e o cabrito, proporcionando aos visitantes não só o deleite da paisagem de outros tempos, mas também os sabores que remetem para os tempos da transumância como modo de vida.

No Domingo, dia 5, o programa abre com a caminhada do conhecimento, animação musical com “Jovens Minhotos” e a já habitual corrida de cavalos, na nova pista para o efeito.

Durante os dois dias do evento manter-se-á a oferta da gastronomia genuína, com o cabrito e a broa, mas também a Feira das tradições do Brandeiro e produtos locais, onde há montra para os queijos, o fumeiro e os produtos típicos de Melgaço e da freguesia de Gave, onde ainda há quem faça os trajes no tear ou mesmo quem esboce notáveis obras de arte a partir de uma tela em branco ou de uma telha antiga.

“São formas de atractividade para trazer gente e dizer-lhes que é bom vir cá, que é bom visitar a riqueza que temos para oferecer”, reiterou o autarca de Melgaço no dia de apresentação do programa.

João Martinho