Bombeiros: “Nunca esteve em causa não pagar os subsídios”, diz Direcção

Na sequência do protesto dos funcionários da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Melgaço, agendado para o dia de hoje (17 de Dezembro) e amanhã – de que demos nota hoje de manhã o Presidente da Direcção dos Bombeiros de Melgaço, Luís de Matos, garante que “nunca esteve em causa não pagar” os subsídios.

No entanto, em causa estarão apenas duas metades dos subsídios respectivos, uma vez que, como explicou em declarações a este jornal, “o restante é pago em duodécimos”.

Em relação ao atraso nos pagamentos das parcelas correspondentes à metade do subsídio, a Direcção justifica que a morosidade da transferência de verbas e outros pagamentos de serviços hospitalares levam “por arrasto”, à irregularidade na disponibilidade financeira da associação.

“Os hospitais, o Ministério da Saúde e mesmo a Administração Interna, como quem temos protocolos de serviços, estão a demorar 3 a 4 meses a pagar. Até o próprio INEM tem os prazos [de pagamento] a alargar”, observou.

Não obstante a atenção ao protesto dos funcionários, o Presidente da Direcção frisou que estão garantidos os serviços mínimos, que asseguram os principais meios de socorro à população. Portanto, além do serviço urgente, operado pela ambulância do INEM, foi também assegurado o transporte de doentes para o serviço de Hemodiálise e Fisioterapia.

JM/AVM