Novo parceiro para a gestão das Termas de Melgaço aclamado por unanimidade

PS e PSD elogiaram “assertividade” e “capacidade de trabalho” do novo integrante da Cura Aquae

 

“Nós, na perspectiva privada, nunca pegaríamos nas Termas se não entendêssemos que tinham potencial. Não fazemos favores políticos”.

Foi assim que Marco Rodrigues Dias, empresário e um dos sócios da OCRAM, empresa de gestão de activos hoteleiros que, em parceria com um investidor francês, apresentou os objectivos daquele que será o novo parceiro privado para a gestão das Termas de Melgaço, encerradas desde o início de 2019 após a saída do Grupo Pinto da Costa & Carriço.

A solução, apresentada ontem (29 de Junho) na Assembleia Municipal de Melgaço, um dias após firmar contrato com o parceiro público (a Câmara Municipal de Melgaço, que detém 51% da Empresa Municipal Cura Aquae) foi elogiada pelo município e até pela oposição, que congratulou os investidores por anunciarem as intenções “com os pés assentes na terra”, sem promessas panfletárias.

Nesta primeira apresentação após contratualização, o porta-voz do parceiro privado considerou esta estância como “umas Termas difíceis”, devido à falta de oferta hoteleira complementar, mas perspectivou abrir já em finais de Julho ou início de Agosto as valências principais do complexo termal.

Ainda antes desse prazo, o novo grupo investidor prevê abrir…