Documentário “By the Name of Tania” é o grande vencedor do MDOC 2019

O filme “By the Name of Tania”, realizado por Mary Jimenez e Bénédicte Liénard, é o grande vencedor da 6ª edição do MDOC – Festival Internacional de Documentário de Melgaço.

Rodado no Perú, o filme que retrata a história de uma jovem iludida e forçada a prostituir-se “até progressivamente perder quase todos os seus traços de identidade”, diz a sinopse, é o vencedor do prémio Jean Loup Passek na categoria de Melhor Longa-metragem Internacional. O júri destaca no filme a “construção poética da narrativa” através de técnicas próprias do cinema de ficção e a transformação de “um drama local Peruano numa exemplar história universal sobre tráfico humano”.

Na categoria de Melhor Curta ou Média-metragem Internacional, o júri decidiu premiar o documentário, rodado numa região remota da Sibéria, “Terra”, de Julia Kushnarenko, pela utilização de uma “cinematografia magistral” para representar “as singularidades de um povo”.

“Fordlandia Malaise”, de Susana de Sousa Dias (na foto), foi considerado o Melhor Documentário Português entre todos os filmes a concurso. De acordo com o júri, o filme faz uso de um “dispositivo transgressivo que explora os limites do cinema documental e confronta, num único plano, o projeto colonial e as suas ruínas atuais”.

Desde 2014 que o prémio Jean Loup Passek distingue anualmente documentários nestas três categorias. Além do troféu personalizado entregue a todos os filmes distinguidos, o vencedor na categoria de longa-metragem é agraciado com um prémio no valor de 3.000 euros, a melhor curta-metragem recebe 1.500 euros e o melhor documentário português a concurso arrecada o prémio na categoria nacional, no valor de 1.000 euros.

O júri do prémio Jean Loup Passek 2019 é constituído por Alexandra Wesolowski, realizadora de nacionalidade Polaca e vencedora deste prémio na categoria de melhor longa-metragem internacional em 2018, Iman Behrouzi, realizador Iraniano a viver na Alemanha, Maria Pinto Martin, realizadora e artista plástica Francesa Luso-descendente, Sandra Regina Nunes, investigadora Brasileira na área do Cinema, e Tiago Baptista, investigador, professor universitário e diretor do ANIM – Arquivo Nacional de Cinema.

Nesta edição do MDOC, pela primeira vez, a Federação Internacional de Cineclubes associa-se ao MDOC para atribuir o prémio Dom Quixote.

O júri, constituído por Mónica Ferreira, do Cineclube da Bairrada – que interpretou uma performance em memória do contrabando e de um dos produtos transaccionados entre Portugal e Espanha, comendo uma banana durante o anúncio do filme premiado – Konrad Domaszewski, do Cineclube de Varsóvia (Polónia), e Trond Leirvik Onarheim, do Stord Film Society (Noruega), distinguiu também o filme “By the Name of Tania”.

Os membros do júri destacam o caráter “hipnótico” e “assombroso” de um filme que permite “várias camadas de interpretação”, através de “memórias e emoções”.

MDOC Festival Internacional de Documentário de Melgaço é organizado pela Câmara Municipal de Melgaço em parceria com a AO NORTE – Associação de Produção e Animação Audiovisual desde 2014, e pretende promover e divulgar o cinema etnográfico e social, refletir sobre identidade, memória e fronteira e contribuir para um arquivo audiovisual sobre a região.

fotos: João Martinho / AVM