Isentos… e ausentes: Município anunciou vantagens na banca do Mercado mas os pequenos produtores ainda não apareceram

De forma a incentivar à venda directa de produtos agrícolas no Mercado Municipal, o município de Melgaço reforçou recentemente a salvaguarda de sete bancas com isenção de taxas, destinadas aos produtores locais.

No entanto, a chamada aos agricultores para incitar ao escoamento e a comercialização dos produtos agro-alimentares provenientes de produção em pequena escala não se traduziu na utilização esperada das bancas.

No dia de Mercado e feira semanal de 25 de Outubro, as sete bancas reservadas para os produtores locais estavam vazias e não havia novas inscrições para a utilização dos espaços.

Ainda durante a manhã, a maioria dos vendedores presentes eram provenientes do concelho de Monção e outros mais distantes. A única representação do mercado local cabia a uma vendedora, residente em Melgaço há 40 anos, já integrada noutras bancas do mercado e com mais do que um espaço reservado.

Carlos Augusto Alves, encarregado do Mercado Municipal há várias décadas, reconhece ter havido falta de interesse dos agricultores locais neste modelo de venda, apesar de já há muitos anos beneficiar de vantagens consideráveis enquanto ponto de exposição dos produtos da terra.

A quem possa interessar, o encarregado do Mercado Municipal estará disponível para receber inscrições para as bancas de segunda a quinta-feira das 8h às 16h30 e nas sextas-feiras das 6h às 19h.

Recorde-se que o incentivo agora recordado pelo município permite aos pequenos agricultores a comercialização de produtos frescos da época, tais como hortícolas, frutas e plantas aromáticas, os frutos de casca rija, leguminosas, ovos; mas também produtos transformados artesanalmente a partir de matéria-prima local, como pão, compotas, queijos, licores, doçaria, enchidos e mel.

João Martinho

Texto publicado na edição impressa de 01 de novembro do jornal “A Voz de Melgaço”