Covid-19: Regresso às aulas. Mais de cem alunos de Melgaço voltam amanhã para uma escola com fortes medidas de restrição

 

 

Áreas de circulação restritas e apenas um intervalo a meio da manhã. A forma de estar dentro da escola vai mudar muito a partir de amanhã e apesar de ainda não se saber os procedimentos a adoptar no próximo ano lectivo – embora se adivinhe outra ‘dor de cabeça’ – o mais provável é que o habitual e ruidoso cenário de convívio de grupo não se volte a repetir tão cedo.

Amanhã (18 de Maio), cinco turmas do 11º e 12 anos da escola EB 2,3/S da Vila e uma turma do terceiro ano do Ensino Profissional, voltam à escola para completar o plano formativo do ano lectivo 2019/2020, que terminará em finais de Junho.

As salas estão já preparadas para receber um aluno por mesa, estando estas a pelo menos dois metros entre si, no cumprimento das distâncias recomendadas pela Direcção-Geral da Saúde.

 

Algumas turmas estarão divididas por grupos, noutros casos a divisão não foi necessária porque “tem salas enormes, onde podem estar salvaguardando as devidas distancias”, como assegura a directora do Agrupamento de Escolas de Melgaço, Paula Cerqueira, a este jornal nas vésperas deste regresso às aulas.

As novas práticas de higienização de espaços, mas também das mãos dos alunos, terão impacto na sua movimentação fora da sala de aula. Os sentidos de circulação estão marcados por fita, há alertas para não tocar nos corrimões e toda uma sinalética presente nos pavilhões para que a atitude preventiva não seja descurada.

Está programada uma pausa a meio da manhã e a meio da tarde para que os alunos possam sair da sala – que será desinfectada durante esse período – e dar tempo para que os alunos tomar algum reforço alimentar que terão de trazer de casa, uma vez que o bar vai estar fechado.

Nos espaços ao ar livre frente aos pavilhões estão colocadas umas mesas de apoio (sem cadeiras) para que os alunos possam pousar a lancheira, mas só poderá permanecer um aluno por mesa.

Para já não é obrigatório o uso de viseira nem luvas, mas a utilização de máscara será obrigatório desde a entrada para o autocarro e a higienização das mãos far-se-á várias vezes durante o dia.

“Ao entrar para o autocarro já lhes vai [aos alunos] ser fornecido o produto para desinfectar as mãos e a máscara. Ao entrar na portaria vai haver vaporização das mãos com desinfectante e à entrada dos pavilhões e dentro das salas de aula haverá um doseador para qualquer eventualidade”, indica a directora do agrupamento.

 

Os transportadores deverão chegar o mais próximo possível das 9 horas da manhã, com uma margem de cinco minutos, para evitar a permanência dos alunos no exterior, dando apenas tempo para os procedimentos de higienização indicados.

No final do dia, a saída também será diferenciada. Os alunos que utilizam o transporte escolar vão ser encaminhados para uma saída do recinto escolar, enquanto os que são transportados pelos pais ou outro encarregado de educação em viatura própria sairão por outra porta.

 

Pré-escolar em Junho? “Muita coisa pode mudar”

Se esta reabertura das escolas para os dois últimos anos escolares do Ensino Secundário correr dentro do esperado, espera-se, segundo a calendarização de retoma do Governo, que o Pré-Escolar reabra também em Junho.

Por cá, esse procedimento implicará a reabertura do Centro Escolar de Pomares, além da unidade da Vila, no entanto, Paula Cerqueira diz que essa reabertura dependerá do número de alunos que se inscrevam para esse regresso, mas também do cenário de recuperação da pandemia. “Não vamos fazer muitas conjecturas porque muita coisa pode mudar”, frisa Paula Cerqueira.

 

Próximo ano lectivo vai ser exequível com estas medidas?

Em Melgaço, para a retoma de pouco mais de uma centena de alunos, foram preparadas as melhores salas para o cumprimento das recomendações de distanciamento social e com um efectivo que garanta a desinfecção dos espaços várias vezes durante um dia de utilização. No entanto, a garantia de higienização de espaços ou mesmo de permanência da população escolar em sala não poderá ser garantida a partir de Setembro, se o próximo ano lectivo iniciar com o regresso às aulas dos restantes anos lectivos.

“A mim assusta-me muito. Partindo do princípio de que esta situação não vai terminar no mês de Agosto, e se para a vinda destas seis turmas a logística está a ser super difícil, fico bastante aflita a pensar como vamos ter dentro desta escola mais de quinhentos alunos, com condições muito diferentes”, alerta a directora.

 

Ensino em casa. Autarquia adquire computadores para empréstimo

Face às necessidades de alguns agregados, a autarquia vai comprometer-se a ceder, por empréstimo, de computadores portáteis e equipamentos para acesso à internet.

São 45 computadores – de momento “retidos na alfândega, em quarentena”, garante a Vereadora da Educação e Cultura, Maria José Codesso – destinados aos alunos já identificados pela escola, aos quais se procederá a entrega assim que a chegada e formatação dos equipamentos estiver concluída.

 

Transporte escolar: Desinfectante e máscaras assegurado pelas transportadoras (?)

Dos cerca de trinta alunos a transportar, dois dos transportadores a operar (além do da autarquia) são os contratados pelo município para assegurar os circuitos em todo o concelho no início do ano lectivo 2019/2020. Após a paragem, a transportadora Mobilitaxi e Transportes Santa Bárbara assegurarão os principais circuitos de transporte.

Para a empresa Transportes Santa Bárbara, que assume o transporte de alunos de duas Freguesias do concelho em dias intercalados, conforme o calendário de aulas por ano lectivo determinado pela escola, precisará apenas de uma viatura e as medidas de higienização indicadas, para efectuar o transporte.

Por sua vez, a Mobilytaxi terá de efectuar o transporte de mais de duas dezenas de alunos, cumprindo as normas de distancia e higiene para este tipo de transporte colectivo. Assim, assegurará o transporte dos alunos das freguesias de montanha e periferia da vila para a escola em cinco viaturas, garantindo uma viatura de apoio para eventuais casos suspeitos de infecção pelo vírus SARS-CoV-2.

 

Assim, à entrada para os transportes será feita uma medição da temperatura (salvo indicação em contrário, pelos encarregados de educação), desinfecção das mãos e entregue uma máscara a cada aluno.

A informação do Agrupamento de Escolas diz que “estão assegurados os transportes para os alunos” e a cada dia a entrega de uma máscara a cada um. Desconhecendo-se até ao momento se irá existir alguma majoração às transportadoras, face à despesa para aquisição de máscaras e restante kit de higienização, a empresa Mobilytaxi indica que esta entrega diária de protecção individual dos alunos é uma despesa acrescida. Assume no entanto, já ter adquirido stock para responder às exigências normativas deste regresso às aulas.