Covid-19: Santa Casa da Misericórdia reabre Creche para sete crianças. “Corremos mais quinze dias de risco que os outros. A partir do dia 1 corremos todos o mesmo”

 

A Santa Casa da Misericórdia de Melgaço vai reabrir a valência de Creche a partir de amanhã (18 de Maio), sendo uma das três misericórdias do distrito a avançar nesta primeira fase de reaberturas.

Neste período de “aprendizagem” de procedimentos a adoptar segundo as recomendações da tutela, a Misericórdia melgacense recebe apenas sete das 41 crianças que receberia num período normal de funcionamento.

As mudanças nas práticas começam desde a porta da entrada. A partir de amanhã, os pais passam a deixar as crianças à entrada da instituição, sem poder entrar dentro da creche, como vinha sendo prática antes do surto pandémico.

À entrada, será medida a temperatura à criança, com autorização dos pais, e está a ser avaliada a medição aos pais ou pessoa responsável que acompanhe a criança na entrega.

Dentro, das duas salas que entram em funcionamento a partir do dia 18 e até ao dia 1 de Junho, as sete crianças vão ser divididas em grupos e em função da idade, e serão supervisionadas durante todo o período de permanência nas instalações pela mesma colaboradora, “para minimizar o contacto com outros grupos e entre colaboradoras”, esclarece a directora técnica da Creche e Jardim de Infância da instituição, Manuela Lobato.

Sobre as orientações acerca do distanciamento social aconselhado, a Directora Técnica indica que nesta fase há circunstâncias em que “vai ser possível” considerando o número reduzido de crianças, como será a organização dos catres no período de sesta, mas diz que a comunidade não pode estar “obcecada” com as linhas orientadoras num contexto de aprendizagem social em que a socialização é uma das razões do serviço.

“Uma das questões é a partilha, a aprendizagem que as crianças fazem nestas idades. Vão ter de partilhar brinquedos. A pessoa que estiver com eles é que vai ter de ter o cuidado de, antes de passar para o outro, desinfectar o brinquedo”, observa a Directora

“Não podemos estar obcecados. Há regras que devemos procurar cumprir. As orientações, vamos tentar fazê-lo para nos dar algum controlo nesta fase inicial, porque precisamos de linhas orientadoras, mas na prática vamos fazer o que é possível”, nota ainda Manuela Lobato.

 

“Muitas instituições estão a entender como facultativa a possibilidade de abrir já nesta segunda-feira (18). No distrito a maioria das Misericórdias vão abrir no dia 1 de Junho. A nossa opção foi abrir já, os próximos quinze dias vão ser para nós uma aprendizagem. Corremos mais quinze dias de risco que os outros, a partir do dia 1 corremos todos o mesmo”, considera o provedor da Santa Casa da Misericórdia de Melgaço, Jorge Ribeiro.

Aproveitando a fase transitória de retoma em que muitos pais continuam a ter a possibilidade “pelo menos até ao dia 1, ao abrigo da medida excepcional”, o provedor não esconde no entanto a preocupação com o “problema acrescido” a partir de Junho, com o regresso da maior parte das crianças da creche e do pré-escolar. “Para o Pré-escolar, precisaremos de mais espaço”, avança Jorge Ribeiro.

“É tudo muito recente, tivemos de dar resposta quase de imediato. O espaço que temos é este, mas conforme as confirmações [dos pedidos] para o pré-escolar, poderemos ter que encontrar outras soluções se este espaço não for suficiente. Arranjar um espaço ou nem toda a gente poder vir, termos de seleccionar”, adianta o provedor da Misericórdia de Melgaço, considerando no entanto ser ainda “prematuro” concretizar soluções nesta fase.

Em dia útil antes da semana de abertura que amanhã começa, a Misericórdia melgacense deu formação para ajustar procedimentos às educadoras e outras colaboradoras da instituição. A partir de amanhã regressam ao trabalho sete pessoas das diversas áreas de serviços.