“Monção e Melgaço e o Vinho Verde não podem estar de costas voltadas. Temos de ser complementares”


Texto e fotos: João Martinho/AVM


Hoje, dia 7 de Junho, comemora-se o Dia de Monção & Melgaço. Mais do que um dia de destaque para os vinhos da sub-Região, assinala-se o dia da publicação da Portaria nº 152/2015, que consagra o Acordo no Regulamento da DO Vinho Verde.

Antecipando as comemorações deste dia, no dia 4 de Junho o presidente da Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes (CVRVV), Manuel Pinheiro, veio à região visitar alguns dos melhores e premiados exemplos da produção diferenciada do terroir da casta alvarinha.

Em Monção, Manuel Pinheiro visitou a Adega de Monção, enquanto maior produtor da sub-Região e para o lançamento de novo vinho, e a Quinta de Alderiz, distinguida com o prémio de Melhor Vinho Verde Alvarinho 2020.

Em Melgaço, o representante da CVRVV visitou a adega, as vinhas e o projecto de expansão da Quinta do Regueiro, distinguido como Produtor do Ano pela revista Grandes Escolhas.

“Ficamos sempre gratos quando reconhecem o nosso trabalho. É um prazer receber o senhor presidente da CVRVV, por todo o impacto que tem e por ser um reflexo dos grandes vinhos que se produzem em Monção e Melgaço”, considerou Paulo Cerdeira Rodrigues, o rosto do prémio dedicado ao produtor, recebido em Fevereiro deste ano.

Sobre a recuperação no período pós-Estado de Emergência, que parou o país nos meses de Março e Abril, Paulo Rodrigues considera que “os piores dias já terão passado” face à franca melhoria dos números em Maio e início de Junho.

“No mês de Maio começamos já a ter números simpáticos e Junho arrancou bem, na região. Esperamos que seja para continuar, não haja volta-atrás, porque de facto os meses de Março e Abril assustaram-nos. A nós e a todo o sector das bebidas”, notou.

Para o produtor, Maio já permitiu recuperar valores na ordem dos 70% em relação ao mesmo período de 2019, o que é um “positivo” e inesperado balanço de contas. “Nunca pensei que pudéssemos chegar já a esses números ”, confidenciou, perspectivando para Junho, “com as encomendas a chegar de novo e a exportação a abrir”, um mês a decorrer em retoma.

 

Monção & Melgaço – Há vantagens na campanha ou nova forma de comunicar a sub-região?

“A marca Monção & Melgaço tem-se vindo a afirmar, nos últimos anos. É um trabalho que se vem fazendo, quer pelos produtores, quer pelas autarquias e pela CVRVV, no qual vamos afirmando a marca todos os dias. Esta é só uma etapa, o caminho ainda está muito no início, temos ainda uma margem de crescimento muito grande”, considera o produtor da Quinta do Regueiro.

“Neste momento a marca começa a ser reconhecida lá fora. Ainda há dias recebi pedidos de vinhos desde produtores de Itália e da Borgonha, de França. Sobretudo depois de ter recebido o prémio com o Jurássico. Sou a favor de que quanto mais concisa for a informação, melhor é. Se for necessário, reajusta-se a estratégia, mas de momento é um caminho que se está a fazer e a dar frutos, porque de facto fazemos grandes vinhos, só temos de os saber comunicar. Se chegarem aos sítios certos, as pessoas saberão reconhecer e dar o devido valor”, acrescentou Paulo Rodrigues.

Com as obras de expansão do espaço de produção e armazenamento em curso, o novo projecto contempla também uma sala de provas, que prevê estar pronta para inauguração no período do Natal.

 

“O Vinho Verde traz volume e abre portas, Monção e Melgaço traz melhor valor e melhor posicionamento”

A propósito desta visita para assinalar a segunda comemoração do Dia de Monção & Melgaço, Manuel Pinheiro recorda que Monção e Melgaço integram “a única sub-Região em Portugal que tem um selo e uma campanha própria”, mas que será benéfico para os Vinhos Verdes se a totalidade do seu produto for “complementar” e não competitiva.

“Para que a comunicação tenha sucesso temos de ser todos complementares e remarmos todos no mesmo sentido e julgo que hoje existem condições para isso. Monção e Melgaço e o Vinho Verde não podem estar de costas voltadas, têm de estar lado a lado. O Vinho Verde é uma grande marca mundial, conhecida no mundo, portanto abre portas. A esses clientes que já conhecem o Vinho Verde temos de lhes dizer que, dentro do Vinho Verde há vinhos de topo, que são os de Monção e Melgaço”, considerou o representante da CVRVV, concretizando: “ Um puxa pelo outro: O Vinho Verde traz volume e abre portas, Monção e Melgaço traz melhor valor e melhor posicionamento”.

Promoção dentro e fora de portas

A campanha de Monção e Melgaço, que dispõe de 500 mil euros/ano para promover os vinhos da sub-Região, integrará, intercalada, a estratégia sonante de promoção que a CVRVV quer fazer notar em diversos meios de comunicação, já no mês de Julho.

“Estamos a reformular a campanha. Na sequência da crise do Covid-19, entendemos que devíamos fazer uma campanha nova e essa campanha estará cá fora no final de Junho ou início de Julho em todo o país e no segundo semestre nos mercados externos”, avançou Manuel Pinheiro.

A ser lançada, a campanha de Monção e Melgaço avançará a par com a dos Vinhos Verdes, para que o consumidor entenda os perfis de vinho que pode experimentar… e adequar aos seus momentos.

“A todos nós, um dia apetece-nos um vinho mais descomprometido, mais alegre, e noutro a complexidade dos Vinhos Verdes Alvarinho, como é a proposta de Monção e Melgaço”, conclui o presidente da CVRVV.