Manoel Batista ataca atendimento “vergonhoso” das Finanças e Registo. “Não há aqui leprosos”


texto: João Martinho || Foto: CM Melgaço


 

O presidente da Câmara Municipal de Melgaço, Manoel Batista, classifica o atendimento de alguns dos serviços públicos do concelho de “vergonhoso” no que respeita à criação de filas de espera no exterior dos edifícios.

Devido ao surto pandémico Covid-19, alguns dos serviços de atendimento ao público optaram por restringir o acesso ao interior dos edifícios, limitando o número de clientes ou permitindo apenas a entrada se imediatamente atendidos pelos serviços.

O edil de Melgaço lamentou, em declarações ao jornal “A Voz de Melgaço” que os serviços das Finanças e da Conservatória do Registo locais continuem “vergonhosamente” a “colocar as pessoas à porta” enquanto aguardam a sua vez.

“Os serviços públicos dessa natureza deviam ter vergonha do trabalho que estão a fazer. Deviam rever rapidamente essa forma de atender e fazer serviço público. Não há aqui leprosos”, criticou o autarca.

Manoel Batista aponta o exemplo dos serviços autárquicos enquanto forma de que “é possível fazê-lo” protegendo a população das condições meteorológicas deste período e cumprir as recomendações de segurança da DGS.

“Nós damos exemplo disso. Logo após a fase aguda da primeira vaga, fizemos a abertura dos nossos serviços. E mesmo quando tivemos um ou dois casos positivos na Câmara, fechamos um dia, resolvemos e no dia seguintes estávamos a reabrir o serviço à população. Damos o exemplo de que somos capazes de o fazer assim, portanto os outros seriam capazes de o fazer também”, reiterou.

O “desagrado absoluto” em relação a estes serviços “que continuam a por as pessoas à porta no Inverno” já foi comunicado pelo autarca à Ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública, Alexandra Leitão, pedindo outra política de atendimento para uma “população envelhecida que precisa de ser bem atendida”.