Bom presságio para a época tardia da lampreia em Melgaço


João Martinho


Os segredos dos sabores da lampreia pescada no troço do Rio Minho entre Monção e Melgaço são ainda pouco conhecidos da maioria dos visitantes. No caso particular do concelho mais a Norte, nem a dimensão e característica do modo de pesca, nem a restauração local terão demonstrado especial interesse mudar as práticas, como notou o pescador Venâncio Fernandes, da Associação de Caça e Pesca de São Tomé.

“Aqui não há mais ou menos interesse por causa dos restaurantes. A nossa pesca é de subsistência, para consumo próprio ou para oferecer a alguém que nos ajudou nas vindimas, há que lhes agradecer. Os restaurantes de Melgaço vão comprar onde é mais barato, a Caminha ou a Campos”, observou.

Por outro lado, os pescadores de Melgaço gozam de melhores condições para redar as pesqueiras a partir de Março, quando geralmente já estão passados mais de dois meses da campanha de promoção da iguaria que o mar entrega na foz, em Caminha, e sobe até Melgaço para desovar.

A terceira vaga da pandemia Covid-19 obrigou ao encerramento da restauração por tempo indeterminado mas, a cumprirem-se as melhores perspectivas de redução de infecções devido ao isolamento profilático, poderão reabrir ainda a tempo de aproveitar a época alta da lampreia em Melgaço. Neste ano, o Inverno prepara-se para subir o caudal a níveis que animam os perpetuadores desta arte da pesca.

“Para haver boa pesca em Março e Abril, em Fevereiro o rio devia ter um caudal que não deixasse sequer os pescadores redar as pesqueiras”, explica ainda Venâncio Fernandes.

O nevão e as chuvas da estação poderão ajudar o desejo do experiente pescador a realizar-se e tornar o período da pesca da lampreia em Melgaço, entre 15 de Fevereiro e 16 de Maio, a época ideal para a levar do rio ao prato, em casa ou na restauração local, se esta voltar a focar-se na diferenciação da experiência à mesa.

 


Na edição impressa de Fevereiro do jornal “A Voz de Melgaço”, a autoria deste texto foi erradamente atribuída a Manuel Luís Gonçalves. O deputado do Grupo Municipal do Partido Socialista assina outro texto nesta edição, devidamente identificado, mas por lapso no acerto da paginação, não foi alterado o nome do autor nesta notícia. Pedimos desculpa por eventual incómodo.