Autárquicas 2021: José Passos Rodrigo [PSD] sobre Centro de Saúde, competitividade empresarial e a possibilidade de o Rally de Portugal passar por Melgaço

O Partido Social Democrata apresentou listas candidatas à Câmara, Assembleia Municipal e a cinco das treze assembleias de Freguesia do concelho de Melgaço. 

José Passos Rodrigo, analista e consultor de gestão empresarial, lidera a candidatura à Câmara Municipal de Melgaço nesta reactivação de actividade da estrutura local do partido, promovida através de Comissão Administrativa encabeçada pelo advogado e professor Manuel Fernandes, natural de Castro Laboreiro.

Residente no concelho há mais de uma década, José Passos Rodrigo passou em revista os números da perda populacional de Melgaço que os censos retrataram em período idêntico e sublinhou a urgência em “criar condições para captar investimentos empresariais, industriais e serviços de ponta, com actividades centradas na criatividade, inovação tecnológica, na habilidade e no talento”.

Ao jornal “A Voz de Melgaço”, o líder da candidatura social-democrata na corrida ao executivo autárquico dá nota, em discurso directo, de alguns dos principais dossiers que promete resolver a curto prazo, se o projecto do seu partido foi eleito no sufrágio de 26 de Setembro.

 

Sociedade: Visita às Freguesias e desenvolvimento do concelho

Falar-se no desenvolvimento do concelho é pura utopia. Nas visitas e reuniões que eu e alguns elementos candidatos do PSD temos vindo a realizar com várias entidades e empresários do concelho, percebemos que há uma preocupação comum, que é o FUTURO.

As realidades que se têm vindo a assistir nestes últimos anos com a diminuição drástica da população, a falta de mão-de-obra qualificada, a falta de emprego bem remunerado, a diminuição do poder de compra, a falta de competitividade, a falta de atratividade empresarial, a falta de reconhecimento sobre as potencialidades da região, a falta de visão estratégica de futuro, entre outras causas, muito têm contribuído, sim, para o retrocesso desta região.

O turismo, que deveria ser uma aposta forte em todo o concelho, não está a ser trabalhado e potencializado nas suas categorizadas e diferenciadoras valências. Melgaço tem todas as potencialidades para ser um concelho de referência, com dinâmica e conteúdo. Tornar-se-á imperativo inverter esta situação, um virar de página.

 

Saúde: Sobre a visita (negada) ao Centro de Saúde e desburocratização dos serviços

Este Centro não chegou a ser visitado. Tentou-se agendar uma visita/reunião, mas tal não aconteceu, lamentavelmente. A visita foi recusada e, por isso, negada a possibilidade de se conhecerem as reais condições de funcionamento desta unidade de saúde e a possibilidade de se compreenderem as razões do avolumar de queixas, sobretudo com a falta de qualidade de atendimento.

É muito preocupante esta situação e muito sentida pela maioria dos utentes, principalmente os mais idosos que se deslocam das freguesias de montanha e têm de utilizar os serviços de urgência básicos de Monção, quando não se deslocam para outros mais distantes.

A situação ainda se tornou mais grave quando se perdeu há anos o denominado serviço SAP – Serviço de Atendimento Permanente. Mais direi que, um concelho com uma população idosa, dispersa e carente de cuidados, torna-se imperativo que se criem mais e melhores condições estruturais para intervenções de proximidade.

No meu entender, além de ter de ser menos burocrática, esta unidade de saúde terá de ser mais eficiente e melhor equipada para a prestação de cuidados de saúde.

Perante estas realidades e preocupações, tanto eu como todos os candidatos do PSD de Melgaço, estamos dispostos e tudo faremos perante o Ministério da Saúde, em propor uma série de medidas de modo a garantir a todos os utentes uma carteira básica de serviços mais alargada e mais ajustada que a atual.

Dessas medidas a propor, destaco a alteração de tipologia deste Centro de Saúde passando de Unidade de Cuidados de Saúde Personalizados (UCSP) para uma Unidade de Saúde Familiar (USF), para além de, propor a sua reabilitação e remodelação com a aquisição e utilização de equipamentos básicos e de primeira linha, para que os profissionais de saúde possam oferecer os melhores cuidados e nas melhores condições, sem necessidade de reencaminhar os doentes para outras unidades de saúde mais distantes.

Articulando com as Juntas de Freguesia, também será nosso objetivo proporcionar o fornecimento de medicação habitual crónica aos indivíduos/famílias residentes no concelho que não possuam condições de levantamento nas farmácias e realizar parceria com todos os laboratórios de análises clínicas existentes na região, evitando conflito de interesses, para que os resultados dos controlos analíticos sejam obtidos de forma célere e enviados para o correio electrónico do médico requisitante.

 

Sector empresarial: Pensar soluções empresariais competitivas, inovação tecnológica e fixação de pessoas

Já não há tempo para pensar, mas sim, para trabalhar. Sem investimentos, sem soluções credíveis e exequíveis, não haverá criação de riqueza, não haverá progresso, não haverá sustentabilidade.

De momento desconheço em absoluto o tipo de empresas que, segundo foi divulgado publicamente, já estariam interessadas em instalarem-se na futura área empresarial e o consequente nível de impacto que as mesmas poderão ter no emprego e no desenvolvimento económico do concelho. Mas as que se instalarem serão sempre bem-vindas à região.

No entanto, a nível de tecido empresarial é minha convicção que deverão ser captadas e instaladas empresas de topo, isto é, empresas, quer sejam industriais, quer sejam de serviços, centradas na inovação tecnológica e digital, na criatividade e no talento. Serão estas as empresas de futuro que garantidamente permitirão potenciar a criação de emprego qualificado com salários de patamares médios/elevados, e que impulsionarão, não só a atração e fixação de pessoas no concelho, como também, garantirão melhor qualidade de vida e de bem-estar.

Mas, para que tal aconteça e seja uma realidade, ter-se-á de assegurar-lhes rapidez e eficiência no tratamento e condução dos processos burocráticos necessários para a instalação das suas estruturas e proporcionar-lhes atribuição de incentivos/estímulos, com garantias de continuidade, em paralelo com a atribuição de apoios à fixação de novos residentes.

Conjuntamente, também não deixarei de considerar, dentro das mesmas condições, as micro/pequenas empresas que optem por instalarem-se na região e que também muito poderão contribuir para a criação de empregos e criação de riqueza.

Paralelamente, terão de serem reativadas ou mesmo criadas estruturas adequadas à administração de cursos de formação técnico-profissionais e, tanto quanto possível, relacionados com as atividades desenvolvidas ou a desenvolverem-se localmente, de maneira a valorizar tecnicamente e profissionalmente os trabalhadores durante a sua vida ativa.

Para além do tecido empresarial, ter-se-á de olhar para o turismo e para as riquezas espalhadas em todo o concelho, através das suas diversificadas e riquíssimas valências.

Sendo que o turismo é um dos pilares importantes para contribuição do desenvolvimento e sustentabilidade económica da região, no meu entender, não está o mesmo a ter a atenção que condignamente merecia, nem tão pouco está a ser explorado e potencializado como deveria ser.

 

Desporto: Rally de Portugal em Melgaço? “Boas influências pessoais e institucionais que muito poderão contribuir para a realização dessas provas”

 

Um dos pilares desta candidatura é apoiar e potenciar a generalidade das actividades desportivas, quer já as existentes, quer as que poderão vir a ser criadas, bem como, apoiar os correspondentes órgãos associativos do concelho.

Especificamente, o desporto motorizado, designadamente nas categorias de automóvel e moto, não deixará de ser exceção e faremos todos os esforços perante as respetivas federações e todas as organizações deste sector, de promover a região com ações de marketing dando a conhecer as suas vantagens diferenciadoras e convidá-las para a realização de provas nas diferentes modalidades e, preferencialmente, com competições ao nível de campeonatos nacionais e internacionais. Não concordarei que sejam atribuídos apoios a esta modalidade sem que seguramente tragam mais-valias para a região.

Do exemplo dado sobre a possibilidade de se realizar a passagem do Rally de Portugal, bem como, outros ralis ou rampas de velocidade, por alguns troços desta região ou mesmo a instalação de parques de assistência e logística, será uma matéria possível de ser apresentada e de se propor aos organismos responsáveis pelas suas realizações, com a vantagem da existência de boas influências pessoais e institucionais e que muito poderão contribuir para a realização dessas mesmas provas. Os percursos pelo PNPG estariam, obviamente, fora do contexto devido aos condicionalismos e restrições que lhe são afetas.

Para todos os efeitos, quer se tratem de provas de automóveis ou de motos, haverá sempre a intenção de se promover às federações destas modalidades a realização dessas provas e trazerem mais-valias para a região, beneficiando em grande escala, o comércio, os serviços, a restauração, a hotelaria e o turismo.

           

Principais questões ou primeiros dossiers a pegar, se sair vencedor destas autárquicas

As redes de comunicações, a saúde, o tecido empresarial e o turismo. Estes seriam, de facto, os quatro dossiers prioritários e exequíveis de ações imediatas.

Os dossiers das redes de comunicações e da saúde, terão de ser prioritários, dadas as suas relevâncias e urgências de utilização. A falta de cobertura das redes de comunicação móvel, fixa e internet, ainda são deficientes e até inexistentes em vários locais do concelho, situação esta, muito preocupante e que não se justifica nos tempos de hoje.

A falta de redes de comunicação pode mesmo dificultar o auxílio a quem tenha algum problema nesses locais, já para não falar que se torna complicado o socorro em caso de necessidade. Quando se quer convencer as pessoas a virem morar ou virem praticar turismo para Melgaço, é essencial estarem garantidas as melhores condições possíveis e ter bons acessos às redes móveis e rede fixa, bem como, à Internet.

Com o teletrabalho, que passou a ser uma realidade nos últimos tempos, esta situação traz ainda mais problemas às populações que se vêm obrigadas a ter que sair das suas áreas de residência e procurarem coberturas de redes noutros locais distanciados.

Sobre a saúde, a prioridade deste dossier justifica-se com o que já foi descrito na questão abordada anteriormente.

Relativamente ao tecido empresarial e ao turismo, e conforme anteriormente também descrito, são o garante de criação de empregos, da fixação de pessoas, do repovoamento, do aumento de qualidade de vida e do bem-estar, da segurança, do desenvolvimento económico, da criação de riqueza e da boa sustentabilidade. É tudo isto que Melgaço e os Melgacenses querem, merecem e precisam desde já que tudo se concretize.