AUTÁRQUICAS 2021: Manoel Batista recandidata-se com um saco cheio de promessas e projectos às costas para distribuir em quatro anos


João Martinho


 

Desde 2013 na liderança do poder autárquico pelo Partido Socialista, com maiorias garantidas por percentagens na ordem de 60 por cento dos votos (63,07% em 2013 e 59,98 em 2017), Manoel Batista relança a campanha para as autárquicas de 2021 com uma campanha que aposta na continuidade do trabalho.

Para a corrida daquele que poderá ser o seu último mandato desta sequencia de mandatos contínuos, o autarca deixa cair uma das figuras que o acompanharam desde o início: Maria José Codesso, vice-presidente do executivo socialista, invocou a necessidade de dar apoio à família e ao projecto familiar para encerrar o “ciclo” dedicado à causa publica, iniciado em 2004. Assumiu ao longo dos últimos 17 anos, as funções de vereadora, com os pelouros da Cultura, Educação e Acção Social e, desde 2013, a vice-presidência.

A apresentação das listas à Câmara Municipal, Assembleia Municipal e Assembleias de Freguesia decorreu no dia 24 de Agosto, no anfiteatro do Centro de Estágios, com algumas mudanças na composição das listas candidatas aos órgãos autárquicos. As lideranças mantem-se praticamente as mesmas, com excepção da Junta de Freguesia de Fiães, onde José Luís Douteiro cede a cadeira titular a Joaquim Coelho da Silva e passa para quarto lugar da lista, e na União de Freguesia de Vila e Roussas, com Manuel Fernando Pereira a encabeçar a proposta socialista para o sufrágio de 26 de Setembro. Maria de Fátima Táboas, presidente desta União de Freguesias desde 2013, avança agora em terceiro lugar da lista de Candidatos efectivos à Câmara Municipal de Melgaço.

Em declarações ao jornal “A Voz de Melgaço”, Manoel Batista fez um balanço dos últimos oito anos, que diz terem sido pautados por pensamento estratégico, redução da dívida de médio-longo prazo e preparação para a viragem do “Cabo das Tormentas” no sector industrial. O novo plano promete colocar Melgaço enquanto ponto estratégico no mapa das rotas empresariais europeias, perspectivando transacionar com mais vantagem pela Galiza, através das rotas ferroviárias e marítimas, com mais facilidade do que pelas rotas metropolitanas nacionais. Com um olho na Europa e outro na America Latina.

(…)

Texto na íntegra na edição impressa de Setembro do jornal “A Voz de Melgaço”

Fotos: Divulgação PS Melgaço