SIBS: Melgaço registou 20 milhões de euros em operações de pagamento entre Junho e Setembro de 2021


João Martinho (texto)
Foto (DR) gráfico (SIBS)

Supermercados, administração publica, alojamento e restauração entre os principais serviços

 

Segundo os indicadores de consumo da SIBS Analytics, um serviço da empresa responsável pela gestão das Redes ATM Express e Multibanco, nos quatro meses de maior fluxo turístico no concelho – entre Junho e Setembro – Melgaço registou um volume de pagamentos, em operações electrónicas e em numerário na ordem dos 20 milhões de euros em 2021. No período homónimo de 2020 e também na soma de ambas as operações, o volume de transações não foi além dos 16,5 milhões.

A tendência de retoma do período pós-surto pandémico da covid-19 começou a registar-se a partir de Março do corrente ano, com uma tendência crescente que partia de mínimos de 2,7 milhões, registados em Fevereiro. A ascensão do volume de operações, com ligeiras oscilações, teve o seu pico máximo em Agosto de 2021, em que se registou um volume de pagamentos de 7,2 milhões de euros. O último mês de setembro, também com números já fechados, registou operações no valor de 4,1 milhões de euros.

No que diz respeito aos tradicionais quatro meses associados ao período de férias, dos 20 milhões de euros movimentados em operações de pagamento electrónico e em numerário no concelho, a maior fatia destinou-se aos super e hipermercados (2,3 milhões de euros) e a segunda aos serviços da administração pública (1,4 milhões). Os restantes sectores ficam abaixo do milhão, mas ainda assim expressivos os que estão ligados ao turismo e restauração.

 

Em alojamentos turísticos foram efectuadas operações na ordem dos 716,4 mil euros (um aumento de 44% face ao período anterior) e em serviços de catering, restauração e similares registou-se um total de 678,6 mil euros transacionados neste período, representando também aqui um aumento de 36 por cento.

Todos os restantes sectores, como a moda e acessórios, farmácias e parafarmácias, comércio por grosso e gasolineiras registam uma média entre os 300 e os 400 mil euros.

 

Sector do vinho: “Os produtores têm alguma timidez em mostrar os números do sucesso”

Convidado a comentar estes números, o edil de Melgaço, Manoel Batista, considera os valores “simpáticos” e considera que haveria mais a somar a estes indicadores positivos, mas reservados por alguma “cautela” e “parcimónia” dos operadores do sector.

“Não tenho dúvidas de que nos próximos anos esse movimento crescerá. O sector turismo tem tudo para continuar a crescer e quando, em 2023, tivermos o novo hotel [do Peso] a abrir, cresceremos muito até em número de dormidas e daremos um salto qualitativo grande”, observou, fazendo uma chamada de atenção para o sector do vinho.

“Os produtores tem alguma timidez em mostrar os números do sucesso e eu compreendo-os, às vezes alguma cautela e alguma parcimónia é importante, mas sei que tem tido um sucesso enorme e os valores tem sido muito simpáticos”, reforçou.

Relativamente à restauração, considera haver um problema de falta de mão de obra “gravíssimo” e também cada vez menos oferta para a procura que sente haver no concelho.

“Precisamos de alavancar mais restauração em Melgaço. Há lugar para mais dois ou três restaurantes, porque a procura é enorme e há momentos em que as pessoas chegam e não tem onde fazer a sua refeição e acabam por sair para os concelhos vizinhos”, notou.