Crescem os alertas sobre o uso das redes sociais


Carlos Nuno


A Lusk, famosa marca britânica de produtos cosméticos, com mais de 400 lojas em todo o mundo, encerrou milhares de contas do Facebook, Instagram, Snapchat e TikTok, depois de alertada para o impacto negativo das redes sociais na saúde mental dos adolescentes.

E fez isso depois de tais empresas serem acusadas de utilizarem algoritmos para manipularem os utilizadores com conteúdos negativos, notícias falsas, ou pontos de vista extremos, a fim de aumentar interacções, cliques e partilhas.

Eduardo Jorge Madureira, em artigo de 5 de Dezembro no “Diário do Minho” refere que a conceituada marca de cosmética exige que elas funcionem de outro modo, prestando serviços de forma clara e transparente, não «ocultando as suas verdadeiras funções comerciais ou fluxo de receitas».

E os utilizadores têm que ser também protegidos do assédio e da manipulação, minimizando o risco de utilização excessiva e encorajando padrões der utilização saudáveis. A Lusk convida mesmo a fazer uma pausa do mundo virtual para viver o presente.


texto publicado na edição impressa de Janeiro 2022