Jorge Mendes em Melgaço: “Espanha continua a dar atenção aos territórios mais afastados de Madrid, do lado português não há ninguém”

 

Em visita ao concelho, no dia 3 de Janeiro, o candidato do PSD pelo distrito de Viana do Castelo, Jorge Mendes, considerou que a descentralização e a instalação de serviços públicos “são caminhos importantes para estancar o fenómeno da desertificação que o distrito tem vindo a registar”. 

“Os últimos censos vieram a comprovar que mais uma vez o distrito de Viana do Castelo sofreu uma grande perda de população, em especial nos municípios mais interiores. E por este andar, se nada for feito arriscamo-nos a que, na próxima legislatura, em vez de elegermos seis deputados por Viana do Castelo passaremos a eleger cinco. Ou seja, perdemos um deputado tal como já está a acontecer com outros distritos”, alerta Jorge Mendes.

Durante a visita, os candidatos social-democratas reuniram com instituições e deslocaram-se, em acto simbólico, à fronteira de S. Gregório, onde recolheram impressões sobre a diferença de tratamento e acompanhamento dos governos espanhol e português em relação ao território fronteiriço.

“Assistimos ao exemplo paradigmático da fronteira de S. Gregório, na qual a Guarda Civil espanhola continua a manter durante a manhã o posto da fronteira com homens. Quer dizer que a Galiza e Espanha continuam a dar uma atenção a estes territórios mais afastados de Madrid, enquanto do lado português não há ninguém, sem qualquer presença que nos mostre que entramos em outro país”, notou.

Jorge Mendes reforça a necessidade detomar medidas muito concretas para, pelo menos, estancar este contínuo despovoamento, nomeadamente atraindo não só as gerações de imigrantes que estão por este mundo fora, mas também cidadãos de outros países”.

“Melgaço, por exemplo – como outros concelhos – tem condições de trabalho e de empregabilidade, mas não se consegue encontrar pessoas para as várias áreas de ofertas desde a indústria, passando pela restauração ou pela agricultura, por exemplo. Por isso temos de criar um conjunto de outros atrativos para as pessoas aqui viverem, quer ao nível de benefícios fiscais, quer ao nível dos serviços públicos e partilhados de forma que as pessoas se sintam confortáveis e com segurança”.

 

Com o PSD, “a temática da Regionalização, deixará de ser um tabu”

 

“Os territórios têm que ter cada vez mais autonomia e quanto maior for a descentralização maior será a capacidade dos municípios atuarem rapidamente e ativamente para, não só estancar este despovoamento mas, também, para atrair novas populações. Claro que têm de ser dotados das capacidades financeiras que ainda não têm para que isso se possa efetivar. Mas também estamos convictos que com o PSD não só será feito o reforço da descentralização, como também será cumprido o que é há muitos anos e que passa pela disponibilização dos envelopes financeiros para os municípios. Com o PSD, a temática da Regionalização, deixará de ser um tabu”, assegura o candidato.