“Flor de Algodão”, a loja Pop Up que quer ficar e ser um aconchego para bebés e crianças em Melgaço


João Martinho


Patrícia Veloso e Kelly Veloso, de 34 e 24 anos, respetivamente, tem em comum o facto de serem primas e a vontade de ter em Melgaço uma oferta que permita aos país de bebés e crianças do concelho ter uma oferta de qualidade e atractiva a quem queira comprar um presente ou uma roupa para os mais pequenos.

No fundo, é uma lacuna na oferta local que ambas sentiram no momento em que, num momento de férias em Melgaço e perante a necessidade de comprar um presente para as crianças da família, tinham “pouco por onde escolher”.

O conceito Pop Up Shop, assumido pela Câmara Municipal de Melgaço após o termino do projecto europeu de revitalização comercial dos centros urbanos – que acabaria por ter um considerável sucesso em Melgaço e tornar o concelho um exemplo de boa aplicabilidade da ideia – foi a melhor forma de as primas, naturais de Virtelo e emigrantes em França, porem em prática o seu anseio.

“Depois de ser mãe senti ainda mais essa dificuldade. Daí que, com o conhecimento do projeto Pop Up, que nos desprendia de pagar aluguer durante seis meses, achamos uma boa oportunidade de poder aumentar a oferta nesta área e de criarmos o nosso próprio negócio. O Pop Up permite-nos assim, avaliar a adesão das pessoas ao nosso projeto ao longo deste período e, de passagem, investir na nossa terra natal”, conta-nos Patrícia Veloso.

Face à vontade assumida que tem em dar continuidade ao conceito após o período de estudo ao mercado local, lançamos algumas questões às jovens dinamizadoras do mercado de proximidade local.

 

A Voz de Melgaço (AVM) – O facto de ser uma loja exclusivamente dedicada a vestuário de bebés não vos faz sentir um bocadinho contra-corrente, uma vez que o número de nascimentos é muito variável e a geração em idade de ter filhos na sua maioria emigra ou vai viver para outros locais?

Patrícia Veloso (PV) – Verificamos que nos últimos anos houve bastantes nascimentos em Melgaço. A verdade é que queremos oferecer mais escolha a todos os melgacenses, e num futuro, aumentar o leque de tamanhos referentes às vestimentas. O que nos distingue é que não vendemos apenas vestuário, mas também brinquedos e artigos de refeição. Decidimos ainda apostar na venda online visando abranger clientes por todo o país dado que, hoje em dia, as pessoas têm cada vez mais optado por comprar na internet.

AVM – Relativamente às peças, são de fabrico artesanal, de pequena produção que conhecem, ou são de marcas conhecidas do grande público?

PV – A nossa maior preocupação foi apoiar o comercio nacional. Optamos por roupa exclusivamente fabricada em Portugal, para todos os gostos e de todos os preços. Apostamos em marcas mais conhecidas como a Knot e a Baby Gi, mas também em marcas de pequena produção.

 

AVM – Já estavam a viver e trabalhar em França quando surgiu a ideia de apostarem nesta loja? De que forma as vossas áreas de trabalho podem ser uma vantagem para o vosso negócio?

PV – Quando nos surgiu a ideia de apostar na Flor De Algodão já vivíamos em França, e ainda vivemos actualmente. Eu [Patrícia] sempre trabalhei de forma independente no ramo da estética e a Kelly trabalha na contabilidade, de tal forma que nenhuma de nós tinha trabalhado nesta área. Porém, com base nas nossas vivências, decidimos lançar-nos nesta aventura e neste sonho de poder trabalhar com moda de bebes e crianças.

 

AVM – Tiveram de contratar alguém para abrir a loja. Esta opção será para manter, ou ponderam voltar e viver em Melgaço?

PV – Contratamos alguém para trabalhar na loja pois vivemos em França, e por agora, contamos ficar por lá. Assim, este é um negócio que vamos gerir à distância com a ajuda da nossa família em Portugal. Mas a verdade é que este projeto é uma forma de nos prepararmos para daqui a uns anos regressarmos á nossa terra natal. 

 

AVM – Findo este período e se sentirem que há volume de negócio para continuar, a vossa loja/projecto acompanhará o crescimento dos vossos “clientes”?

PV – O nosso objetivo a longo prazo é, efetivamente, podermos apostar em ter em stock tamanhos maiores, ter um universo de puericultura. Queremos ainda criar a nossa própria marca de roupa, e quem sabe, abrir lojas por todo o país. Numa visão mais ambiciosa, queremos num futuro poder vender também em França, pois os franceses amam o “made in Portugal”, e afinal, quem não sonha nunca alcança!

 

AVM – O que sentem da dinâmica comercial na vila de Melgaço? Sentem que está a ganhar novo fôlego?

PV – O projeto Pop Up trouxe, sem dúvida, um novo folego para Melgaço. As pessoas puderam começar a tentar apostar nos próprios negócios sem arriscarem demasiado. São várias as lojas Pop Up que após o tempo experimental se mantiveram abertas. Neste sentido, agradecemos ao município de Melgaço por esta oportunidade e por todo o apoio que está a fornecer aos novos empreendedores.

 

AVM – Sobre o nome da loja, o que vos inspirou? A ideia de conforto, a exclusividade dos materiais…

PV – O nome “Flor de Algodão” surgiu essencialmente do facto de que as nossas peças de vestuário, são na sua grande maioria, compostas por algodão. Este nome inspira-nos também uma certa elegância e suavidade e remetes-nos a pureza e a inocência, fatores que são os alicerces da nossa loja.