“A inovação pode estar associada a qualquer empresa”. O Espaço Makers de Melgaço já deu o primeiro passo


João Martinho


O Espaço Makers de Melgaço já está aberto às ideias de jovens empreendedores, empresas e comunidade escolar.

Oficialmente aberto ao público desde o dia 9 de Abril e recentemente equipado com duas impressoras 3D, uma máquina de corte e impressão laser e plotters de impressão de grande dimensão, o espaço, a funcionar no edifício Altice, no largo Hermenegildo Solheiro, criou as condições para que a comunidade possa dar os primeiros passos na concepção digital (e material) das ideias de produto até agora adiadas.

Vídeo: Concepção de ideias/moldes

 

Esta incubadora de ideias de inovação tecnológica e criativa e pode ser utilizado por empresas, jovens e crianças (espaço kids) que procurem trabalhar com programação, robótica, entre outras, desde a concepção de produto, prototipagem, teste de produto e de adaptação às necessidades de mercado.

Joel Esteves, responsável pela operacionalização do Espaço Makers, licenciado em Engenharia Mecânica, com Mestrado em Automação, dará apoio técnico aos interessados em dar forma às ideias.

“O ideal é que as empresas ou particulares venham com uma ideia. O que tentamos fazer aqui é que a própria pessoa consiga utilizar a máquina, sem depender de outros. Eu posso dar esse apoio, ensinar a utilizar, mas pretende-se que seja a pessoa a autonomizar-se para que um dia mais tarde, se quiser comprar um equipamento semelhante, possa ter conhecimentos de como o fazer”, explica o técnico.

Os ensaios podem ser em impressão e corte laser em diversos materiais, para conceber bases de produto, ou mesmo com recurso à modelagem 3D, com uma ou mais cores, imprimindo a ideia de produto a criar ou remodelar.

“Para as empresas há uma grande vantagem porque podem trazer a sua própria ideia e vir testá-la com recurso a equipamentos que, de outra forma, implicariam um investimento muito grande”, frisa Joel Esteves.

O Espaço Makers nasceu da integração do Município de Melgaço numa rede de centros maker do Norte de Portugal e Galiza, cujo objetivo é criar e desenvolver uma rede de empreendedorismo, baseada nos centros de produção digital e prototipagem da euro-região Galiza-Norte de Portugal.

José Adriano Lima, vice-presidente da Câmara Municipal de Melgaço, destaca o papel académico que os equipamentos e explicações técnicas terão junto da comunidade escolar.

“Acabamos por ingressar no mercado do trabalho com um percurso escolar numa atitude passiva e o que queremos é inverter isso, que os alunos despertem em si as capacidades de inovação e criação. Para isso precisam de ferramentas, e é isso que nós agora disponibilizamos”, reforça, em declarações a este jornal.

Sobre a vocação empresarial, José Adriano Lima refere que há já representantes dos vários sectores que figuram como parceiros do projecto Makers que fomentarão o desafio criativo para que, ao longo do tempo, “vão criando respostas inovadoras para o sector industrial”.

“A inovação pode estar associada a qualquer empresa. Temos o sector dos vinhos, que estão a desenvolver projectos de inovação com outras empresas e há um conjunto de empresas que participam desde o inicio, mas todas as empresas do concelho poderão participar neste projecto. Haverá acções de formação com gente especializada em diferentes áreas que poderão trazer conhecimento e dar todas as ferramentas a um empreendedor para que possa desenvolver o seu próprio projecto”, frisou o vereador melgacense.

“Quando estávamos a desenvolver este projecto, em momentos de contacto com o publico , algumas pessoas lamentavam o facto de não terem tido um espaço destes quando eram mais novas, porque isto teria tido uma influência importante na vida delas”, notou ainda.

O projeto Makers representa um investimento total de aproximadamente 175.000 EUR e é cofinanciado pelo FEDER, através do POCTEP, com uma taxa de 75%.